quinta-feira, 10 de março de 2011

Grandes Violinistas [3] - Jascha Heifetz



Jascha Heifetz é amplamente considerado como o maior virtuose da história do violino, sendo considerado por muitos como "o melhor violinista do século 20". Ele nasceu em 2 de Fevereiro de 1901 em Vilna, Russia (hoje Vilnius, Lituânia). Começou seus estudos aos 2 anos de idade (!) com seu pai Ruvin e entrou para o Conservatório de Vilna aos 5 anos de idade onde estudou com Ilya Malkinm. Fez sua primeira apresentação pública num recital de estudantes em 1906 e sua estréia oficial aos sete anos de idade.

O Jovem Heifetz
Por oitenta e três dos seus oitenta e seis anos, Heifetz tocou violino e sessenta dos seus oitenta e seis, fez isso para platéias imensas ao redor do mundo. Desde seu primeiro concerto com orquestra em São Petersburgo no dia 30 de Abril de 1911 ele expôs sua arte a milhares de pessoas e fez isso com nada menos de dois milhões de quilômetros em viagens ao redor do planeta, inumeras apresentações no rádio (algo muito comum na época) e até em produções cinematográficas.

Heifetz entra para o Conservatório de São Petersburgo em 1910, primeiramente na classe de violino de IR Nalbandian e depois na classe do lendário mestre Leopold Auer em 1911. Até então, suas apresentações públicas estavam se tornando uma sensação. Dize-se que em um concerto em Odessa, no verão de 1911 atraiu cerca de 8.000 pessoas. O jovem Nathan Milstein (que veremos em outro post) que estava na platéia disse que ao término do concerto a polícia cercou o menino para o protegê-lo da multidão agitada com o talento do pequeno Heifetz.

Em 1912, Heifetz vai a Berlim.

Heifetz em turnê pela Europa
"Ele tem apenas 11 anos de idade, mas garanto-vos que esse menino já é um grande violinista. Fico maravilhado com seu gênio, e tenho certeza que ele fará uma grande carreira mundial. Em todos os meus cinquênta anos de ensino do Violino, eu nunca soube de tal talento e precocidade!"
Leopold Auer em carta de apresentação de Heifetz ao professor Herman Fernow




Heifetz estréia em Berlim num concerto privado em 20 de Maio de 1912 na casa de Arthur Abell, um crítico musical . Grandes violinistas da época estavam presentes ao recital, tai como Carl Flesch, Heerman Hugo, Willy Hess, e o grande ídolo de Heifetz, Fritz Kreisler (que vimos no post anterior).

"... E quando Fritz Kreisler sentou-se ao piano para acompanhar o senhor Heifetz em seu Schön Rosmarin o pandemônio tomou toda a platéia e depois de ouvir o talento de Heifetz, Fritz Kreisler levantou-se do piano, dirigiu-se aos seus amigos violinistas presentes e disse: 'Nós já podemos ir para nossas casas, e quebrar nossos violinos, pois achamos alguém insuperável!' afirmou o grande mestre do violino"
Hermann Fernow em carta a Leopold Auer, professor de Heifetz


Heifetz também dá concertos públicos com a Filarmônica de Berlim sob a direção de Arthur Nickisch.


"Quando Heifetz terminou de tocar houve uma atitude que jamais vi em meus 70 anos assistindo concertos... o próprio maestro puxou os aplausos e toda orquestra estava encantada com o talento do menino Heifetz!"
Arthur Abell


Heifetz em Performance 
Heifetz também faz apresentações em Praga e Varsóvia em 1912 e deveria ter feito sua estréia americana em 1914 mas a explosão da I Guerra Mundial o impedira de fazer essa viagem. Poém com o início da Revolução Russa em 1917 a família Heifetz faz uma jornada árdua para os Estados Unidos. Eles viajam pela Ferrovia Trans-Siberiana de São Petersburgo para o Japão e de lá vão de navio aos EUA. Chegando lá, se prepara por dois meses ainda para sua grande estréia que ocorrera em 27 de Outubro de 1917 no Carnegie Hall. É maravilhosamente recebido pela crítica musical e os comentários nos jornais não pouparam elogíos ao talento de Heifetz.

"Por enquanto é suficiente dizer que ele é um mestre supremo na arte do violino com apenas dezesseis anos e certamente uma geração como esta de violinistas jamais veremos de novo!"
The New York World


Duas semanas após sua estréia nos EUA, Heifetz viaja para Nova Jersey para iniciar seu primeiro ciclo de gravações para a RCA Victor e nos próximos 56 anos ele faria inúmeras gravações para esta gravadora, legando a nós, seus ouvintes, inúmeras gravações importantes. Retorna a Rússia pela primeira e única vez em 1934 dando concertos em Moscovo e São Petersburgo, onde seu professor de infância Nalbandian estava no fundo do auditório com lágrimas escorrendo pelo seu rosto.

Jascha Heifetz 
Em 1925, Heifetz se torna cidadão americano e em 1939 a Metro-Goldwyn-Mayer cria um filme intitulado "Eles devem ter música" onde o próprio Heifetz é a estrela do filme, representando ele mesmo em resgate de uma escola de música abandonada e falida, e para ajudar, Heifetz dá concertos para salvar o conservatório. Esse histórico de concertos beneficientes não para por ai:  Em 1919 o famoso "A Vitória do Empréstimo" fora uma série de concertos dados por Jascha Heifetz ao violino e Serguei Rachamaninoff para ajudar a pagar dívidas dos EUA feitas durante a I Guerra Mundial, onde eles arrecadaram com bilheteria cerca de 7.8 Milhões de dólares!


Também durante a Segunda Guerra Mundial, Heifetz participou ativamente tocando para milhares de homens e mulheres à serviço do exercíto durante a guerra, muitas vezes em situação extremamente perigosa. Certa vez em um concerto ao ar livre que deu na Itália em 1944 foi bombardeado e ele se viu preso nas linhas inimigas. Em 1950 muda-se para a Califórnia onde começa a lecionar na Universidade Southern Califórnia onde suas aulas foram gravadas e distribuídas pelo mundo todo.




Heifetz foi casado por duas vezes. Tinha dois filhos com sua primeira mulher e um filho com o segundo casamento. Faleceu aos 86 anos em 10 de Dezembro de 1987 sendo considerado o maior violinista do século XX.







Capricho Nº 24 de Nicolo Paganini
Jascha Heifetz, violino


Masterclass de Heifetz
Interpretação do Capricho para violino solo "Ao Pé da Fogueira" do brasileiro
Flausino Vale


Um comentário: